Quebrando paradigmas…


salem museuUma camponesa sempre admoestava seu marido quanto aos boatos que ouvia sobre o mesmo quando iam ao vilarejo:

– Querido, onde há fumaça o fogo está.

Ao que o marido sempre respondia em murmúrio fraco.

– Nem sempre querida…

No décimo mês do ano 1692 d.C., ao chegar no vilarejo, um jovem destacou-se dentre os diversos mercadores e viajantes, olhando para a camponesa gritou em alta voz:

– Vejam todos, está não é uma das descendentes das bruxas de Salem?!

Ruborizada a camponesa olhou para o marido que imediatamente interpelou o jovem dizendo:

– Procure seu lugar e se respeite. Esta é minha mulher. Companheira, amiga e fiel. Não queira agredir o carater, nem manchar a personalidade da mesma, a qual, você nem mesmo a conhece.

A camponesa agarrada ao braço do marido e assustada fechou os olhos enquanto seu marido completava:

– Eu sempre digo. Não é querida?! A fumaça representa o fogo. Já a mentira, representa o engano, os engodos, os melindres, as falsidades, as invejas, a cobiça. Os odiosos e seus néctares podem prevalecer por algum tempo. Entretanto, não têm autoridade de prevalecer para todo o sempre.

O jovem correu, escondendo-se nas montanhas, já que seu intento não teve êxito.

Caetano Barata – Ativista cultural em Simões Filho, Poeta, Conselheiro do CEPA, Pedagogo.

Anúncios

Grato por sua participação!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s